segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Ainda vou te prender! por Lili




Evito escrever sobre fatos recentes, mas no apagar das luzes de 2011, num voo que me leva a mais um final de ano juntos aos meus, veio à tona relances da operação que nossa seção realizou ontem e escrevo das alturas mesmo.
Pensando bem, minha mãe tem razão ao acreditar que no dia-a-dia de um policial não há rotina. Melhor mesmo é encarar assim do que insistir nos clichês: “É perigoso de mais”; “A polícia prende e a justiça solta”; “Não há interesse dos governantes em investir em presídios”. Melhor parar por aqui, porque essa lista é mais longa do que os livros não lidos da minha estante.
23 de dezembro, não teve jeito, mesmo já sonhando com o recesso de Natal, o chefe da seção marcou uma operação para a madrugada, numa das cidades que compõem o famigerado entorno do Distrito Federal, onde predomina uma violência não conhecida por nós, os 1,6 milhão de habitantes do quadradinho.
Ocorreu que o autor de vários homicídios em nossa área estava foragido naquela localidade e era para lá mesmo que seguíamos e, quem sabe, fechar o ano bem...
Duas viaturas, cinco agentes e um delegado. No caminho, eu e o colega que guiava, observamos o grande fluxo de carros e ônibus lotados rumo a Brasília.
- Deve ser bem puxado acordar na madrugada ainda escura, tomar o ônibus, enfrentar estrada ruim para chegar ao labor de cada dia”, comentei. 
- Os governantes deveriam investir em infraestrutura para agilizar o transporte do povo. Eles têm a missão de investir bem o dinheiro público, atentou meu colega policial.
- Dinheiro que é meu e seu – mas, os políticos não conseguem conciliar uma miríade de carências e acabam defendendo seus próprios interesses. Afirmei também: - Empregos não faltam no Brasil, a taxa de desemprego - em média 6% - sendo que esse quantum, na verdade, refere-se àqueles que estão trocando de posição e não aos desempregados de fato.

- É Lili, quem sabe se as condições fossem melhores não precisaríamos passar a véspera de Natal na captura de criminosos foragidos da justiça.
Uma hora e meia de viagem, encontramos o local, terreno grande com duas residências. Cercamos o terreno, fizemos as entradas de praxe. Cachorros, muitos, latindo em frenesi em nossa direção (Ufa!). Nenhum nos atacou.

A casa na qual eu e o chefe fizemos a entrada era a maior, checamos cômodo por cômodo, sendo que no mesmo instante em que verifiquei que um quarto estava com a porta trancada, ouvi o colega da equipe da casa dos fundos dizer: “- Alvo atingido”, o que significa que o procurado já estava preso. Virei-me, sentido indo para a direção deles.
“- Ainda falta checarmos um cômodo”, ouvi do chefe da seção (era justamente o que estava fechado) virei-me imediatamente: - Tem razão, não devemos dar as costas ao inimigo. Verificamos o último cômodo e seguimos.
Fiquei satisfeita em prendermos este meliante. Na volta comentei que acabamos com o Natal daquela família naquele ano, mas o preso acabou com o Natal de várias vítimas de assassinato para sempre.

O bom mesmo é prender em flagrante, além do mais, passados três meses, não se ouve mais o alarido de indignação da população, da família e da imprensa. Mesmo assim, meu colega contou-me que o desfecho desta operação foi mais saboroso para ele - uma bizarra coincidência: certa vez, na Delegacia, entrevistara o homem que acabáramos de prender, ainda não havia mandado de prisão ou provas que justificassem uma prisão imediata e, quando questionado sobre o sua vida pregressa - pasmem - respondeu vangloriando-se, de peito cheio: "Tenho triplo homicídio, duplo homicídio e homicídios simples. Isso só  o que a polícia identificou." (palavras dele).
Ao que meu colega respondeu, olhando em seus olhos:
 - Ainda vou te prender.

18 comentários:

  1. Lindoberto Ribeiro2 de janeiro de 2012 14:19

    Muito bom Lilian. Temos que às vezes expor algumas de nossas atividades, principalmente aquelas que a mídia não divulga por não estarem no calor da hora e não venderem mais jornais e não aumentam o Ibope. Só nós sabemos o quanto é gratificante a prisão de um delinquente, após meses de trabalho, principalmente este em especial que era o chefe de um grupo que ceifou muitas vidas no Paranoá e Itapoã e já estava preparando a terceira geração do grupo criminoso. As famílias que residiam próximo aos componentes desse grupo estão sim agradecidos com a atuação da PCDF, isto me foi dito na véspera de fim de ano por uma moradora do Paranoá.

    ResponderExcluir
  2. FRANCISCO DE ARAUJO3 de janeiro de 2012 18:09

    SOU FÃ DE VCS,MUITO BOM, HISTÓRIA LINDA E PERIGOSA, LI COM TANTO DESVELO E EMOÇÃO Q CHEGUEI A VÊ-LA E A TEMER O DESFECHO DA HISTÓRIA, QUANDO VISTES O QUARTO FECHADO.... IMAGINEI UM MELIANTE DANDO UM TIRO COVARDEMENTE KKKKKK, NAMOREI COM UMA CIVIL....AMAVA AS HISTORIAS. PARABENS PELA AÇÃO. BJ

    ResponderExcluir
  3. Ribeiro bacana sua colocação quanto a ter um pouco de paz no local. Assim me sinto mais motivada para trabalhar e, porque não, para blogar. Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Oi Francisco, que jóia saber que a historinha da vida real te instigou. É muito importante saber que você nos acompanha. Aquele abraço.

    ResponderExcluir
  5. oi Lili,
    obrigada pela sua presença lá no meu cantinho, é uma honra para mim.

    To sabendo do concurso sim, já até fiz minha inscrição.

    Vou ler seu texto quando chegar...

    um super beijo de bom dia

    ResponderExcluir
  6. Oláááá. Obrigado por me fazer uma visita.
    Que história bacana!!! É sempre muito bom quando alcançamos nosso objetivo, né?! Espero que suas operações sejam sempre muito bem sucedidas, e que assim, vc possa ser uma colaboradora para que possamos ter um país com menos violência.
    Um abração.

    ResponderExcluir
  7. Altamente operacional hein prima, parabéns pelo sucesso da operação bem como pelo texto, com uma musiquinha ao fundo daria uma bela cena de filme policial. rsrsrsrsrs Se cuida, que DEUS te abençoe.
    Cap Angelotti

    ResponderExcluir
  8. rá rá rá.. Boa primo, Grande abraço

    ResponderExcluir
  9. Ola querida!

    Sobre a greve, é justo e natural as reinvidicações de vocês, afinal, suas vidas estão em perigo e precisam receber a remuneração adequada. Sobre a imprensa, ela é uma verdadeira "duas caras", ajuda e ao mesmo tempo destroi a imagem da Policia.

    Sobre a prisão, parabens! Ainda quero te ver na televisão em uma dessas operações. Admiro sua coragem, até mesmo contra os cães (srrrs). Sobre minha teoria da policia judicial, é possível que passe por mudanças, mas vc será avisada.

    Gostaria de teclar contigo pelo MSN. Manda pelo meu email - lazarovagner@gmail.com Bjoess guerreira

    ResponderExcluir
  10. Olá !!! Eu estou sempre acompanhando o blog ... sou apaixonada pelas histórias e tb pelo trabalho de vcs ... eu espero um dia chegar lá !... :)
    Fico aqui esperando anciosa por novas histórias !!!!
    Só admirando, mesmo sem conhecer vcs ...

    beijOs !!!

    ResponderExcluir
  11. Oi Dr Lazaro quem um dia apraecmo na telinha, mas, na verdade, a praxe é que somente os delegados aparecem hehehe
    Está mexendo na teoria da Polícia Judicial, quero saber.
    Abraço e até breve!

    ResponderExcluir
  12. Raquel que surpresa boa você estar seguindo o blog. Você é de onde? Pretende ser policial tanbém? Pense bem antes, porque depois que estiver lá, vicia (brincadeira). Lili

    ResponderExcluir
  13. meu MSN é lazarovagner@hotmail.com ssrrsrs
    o que vc colocou foi o do gmail

    ResponderExcluir
  14. Lili... sou aqui de brasilia mesmo, descobri o blogger através do face do Wellington Luiz ... resolvi entrar, ler e acredite ADOREI !!! Lili tenho vontade sim de ser policial, acho que o blog ate alimenta mais essa vontade... sou esposa de um agente, e não canso de dizer que admiro MUITO o trabalho de vcs... e já deu para perceber que vc ama o que faz!!!
    beijOs !!!

    ResponderExcluir
  15. Liliiiiiiiiiiiiiiii,

    agora que pude vir, menina!!

    olha, seu texto ta muito muito muito muito bom!!!!! eu vou lendo e o filme vai passando na cabeça, perfeito!!!

    eu ainda chego lá, né? se Deus quiser

    super beijo, feliz 2012

    to garrada aqui, desesperada com o concurso da PF

    ResponderExcluir
  16. Oi Raquel, seja bem vinda ao blog. Bingo, eu gosto muito da profissão sim, acho que é por isso que não me animei a prestar outros concursos. A dica é a apostila da Vestcom. Na minha época eu li, ou melhor dizendo, estudei todinha e deu certo ah... e mais um gás no português. Boa sorte! Vale a dica para a Regina também. Até mais!

    ResponderExcluir
  17. Regina, vc tá na pilha é... que bom! A mensagem acima é luva para você também. Vc é para nós ultra-estimulante aqui no blog. Sempre num super astral. Obrigada!

    ResponderExcluir