terça-feira, 19 de março de 2013

Moda na Delegacia, por Lili


Depois de um longo tempo sem dar as caras no Blog, vou falar sobre a moda na Polícia. Isso mesmo! O mundo fashion dos corredores de uma Delegacia.

A história nos mostra que o homem predomina por aqui, nós, as policiais femininas,  precisamos quebrar estereótipos, provar que somos capazes, deixar um pouco da delicadeza, do romantismo em casa e provarmos a nós mesmas, ao delinquente, a nossa mãe e ao nosso chefe que somos capazes.  Mas, para isso, não precisamos nos masculinizar por completo. Dá sim para ser mulher, se vestir como tal e apresentar um bom trabalho na Polícia.


-  Que estilo cai melhor para a policial civil nas ruas e nos corredores da DP?


O tema veio à tona, principalmente porque estou assistindo ao Esquadrão da Moda (aos sábados no SBT e no Discovery H&H, 55 da net). No programa pipocam ideias de visuais adequados a cada situação. A participante escolhida se vê numa saia justa (ela foi indicada por amigos ou familiares para estar lá). Há uma transformação em seu visual proporcionada por alguns mils reais para gastar em roupas, contando a consultoria do casal apresentador do programa. As produções seguem o estilo formal/chique/clássico e fazem toda a diferença.


Mas como a policial feminina iria usar tais estilos?
Na polícia civil não há farda, como tantos me perguntam quando sabem da minha profissão.

Antes de discutir o que causa boa impressão no nosso ambiente, vale lembrar de um boato que surgiu em umas das DPs pela qual já passei. A rádio corredor espalhava que a Delegada-chefe proibira calça justa para as policiais civis na Delegacia.

- Ditadura da calça folgada?  

 Um dia de sol, no famigerado café – que, aliás, faz parte do serviço público, no sentido de que é, sim, nosso único ponto de interação entre os colegas e, porque não dizer, o momento de turbinar nosso ânimo por meio da cafeína - uma Policial, mostrando todo seu rancor insensato, pôs em xeque a moda das meninas na Delegacia:  

- Aqui na Delegacia a mulherada só usa “calça de feira”, disse em alto e bom tom e foi saindo....

 Bom seria se me servissem essas calças, com 1,77m, geralmente as calças vendidas na feira ficam um pouco curtas e blá-blá-blá. 
Blá-blá-blá não, o comentário da colega foi errante, sabemos da estagnada situação salarial de nossa instituição, não seria inteligente de nossa parte gastar muito com marcas famosas, porque,  afinal de contas, talvez, não sobre para  aquela viagem, ir naquele restaurante, ou para a educação dos filhos. Alguém já reparou nisso?

Que tipo de roupa nos cairia bem...




Para a Delegada de Polícia, acredito que há um facilitador, porque é praxe aderir a terninhos e saltos – o visual mais clássico - e se ela for mais operacional, ou para aqueles dias nos quais sabe que estará nas ruas, poderá contar com as peças caracterizadas da PCDF.

Mas, e para nós, as agentes?

Precisamos encarar com madureza. Terninho completo fica complicado, não tanto por causa do calor, quanto por estarmos invadindo o espaço fashion das Delegadas. Além do que, o serviço de rua pede um visual mais despojado.

 Evitando todo moralismo pseudo esclarecedor, não será por isso que nos restará apenas as calças justas, as cinturas baixas e as botinas (sejam da feira ou de marcas caras), podem ficar inadequadas para o serviço policial. 


Dito isto, recorri a um dos meus seriados policiais favoritos - Dexter - para conferir como a Debra Morgan (investigadora da seção de homicídios), irmã do malvado/herói se veste no ofício. E, pasmem: Só terninhos.
Essa atriz é bem magrinha e, levando em conta que na polícia investigativa dos EUA “os” agentes também usam ternos, além de o clima favorecer blêiseres; não foi no famoso seriado que encontrei a nossa resposta.

Um bom estilo de se vestir no ambiente de trabalho não será radical. Cada tipo físico favorece um trajar. Uma roupa que numa moça magra se adequa perfeitamente, sem mudar o foco do Inquérito para si própria; em outra, mais voluptuosa, pode ficar inadequada.

Talvez, a resposta, cada uma de nós encontre e, para ajudar, garimpei algumas dicas:

Calças “e” blusas justíssimas não ficam legais no trabalho (principalmente as duas peças juntas).

A próxima dica vem de uma noite chuvosa, quando assistia a um programa do Esquadrão no qual uma aspirante a assessora jurídica nos EUA, trajando  apertadas e fendadas roupas, faz uma verdadeira romaria de errâncias nos escritórios de advocacia, nos quais tinha interesse em trabalhar. Não conseguiu trabalho! Mas sim, cartões de visitas com convites para almoços e jantares. Após mudar freneticamente o estilo, a participante tornou-se Assessora Jurídica, entrou para a universidade de Direito no país dela. Ah, e também se casou.

Outras dicas:

As calças de alfaiataria e as jeans corte reto (de preferência escura e sem muita lavagem) não são chamativas e imprimem um ar de respeito. 

Talvez, como me opinou uma agente aqui da DP, essas calças fiquem "demais" para quem está numa  C
circunscricional de criminalidade alta. Afinal, é bem possível que precisemos pular um muro e há lugares, nos quais uma intimação casual pode, sim, se complicar. Na opinião dela calça jeans e camisa são curingas e o que faz diferença mesmo é a parte de cima.

Camisas também são interessantes para o trabalho, alertando para as que possuem ombros largos, não será uma boa ideia usá-la em cores claras e com mangas fofas. Lembrando a quem for se aventurar num blaser, aquele que tiver a lapela fina, diminui a largura do tórax. A parte superior dos bolsos devem estar na altura do osso do quadril.

Também vale lembrar que logo que entrei na polícia, estava na porta da  minha sala, usando um brinco de uns oito centímetros, quando uma colega  mais antiga passou, reparou e disse:

- Guarde esses brincos para uma festa, você poderá, numa luta corporal ter sua orelha rasgada.

Naquele dia pensei, quando que euzinha irei me engalfinhar com um meliante? Sim, na época em que tirei plantões, já me engalfinhei com um que não queria ser preso de jeito nenhum, mesmo estando em flagrante e felizmente, naquele dia, não estava de brincão.

 Então a dica é brincos pequenos para o dia a dia policial.

 Convém lembrar da Bolsa. Aprendi que vale a penas investir em uma boa e não em várias mais simples.

Algumas das peças que não podem faltar para a mulher elegante,  fora do ambiente de trabalho, no nosso caso:

Saia Lápis;

Um cardigan;

Um vestido bom que sirva para várias ocasiões. Para isso é importante que não seja nem muito curto, nem muito decotado e de tecido nobre. O modelo envelope é uma boa opção.

Pessoal, essa conversa foi sobre o nosso traje do dia a dia, é claro que em dias de operação ou operacionais estaremos caracterizadíssimas e com todos os apetrechos necessários, conforme algumas dicas na matéria TOAP – Treinamento Policial, aqui no blog.

É por isso que a vida é boa: ela recicla, muda e nos faz experimentar outros looks.

Deixe-nos um cometário!

 E quem tiver face e puder cooperar na divulgação do Blog basta clicar no ícone do Facebook, logo abaixo da matéria.

Lili


8 comentários:

  1. Olá meninas!

    Que bom que voltaram!

    Ahh, aqui não há muita liberdade na escolha das roupas. Porque tem um padrão internacional muito bem definido. Mas não vou poder entrar muito em detalhes.

    Bom, agora o que eu fiquei pensando enquanto lia o texto, quase foge ao assunto. É o tanto que homem observa, né? Aqui é impressionante.

    * Eles notam quem fez cirurgia plástica;
    * Reparam se você usa uma cor de esmalte diferente do seu padrão normal;
    * Percebem se você fez algo diferente no cabelo!
    * Comentam até do sapato...

    Eu confesso que quanto a última coisa que poderia encontrar na polícia era um "esquadrão da moda masculino"!
    kkkkkk

    Não, não chega a tanto!
    rs rs rs

    Mas mesmo assim me senti surpresa.
    : )

    Beijo, meninas!
    Keep bloging!

    ResponderExcluir
  2. Oie, bom vê-la aqui!!
    Adorei saber as informações da Polícia daí....
    Então os meninos estão ligados UAU Isso só pode ser bom hehe.
    Lili

    ResponderExcluir
  3. Lilian,

    Um belo texto!! Parabéns!! Nós que estamos de fora nem imaginamos o que se passa aí dentro (rs). Concordo que, em um ambiente como este (cheio de homens e de delinquentes), a roupa faz toda a diferença. A mulher deve sempre ter liberdade sobre o corpo, portanto é livre para usar o que quiser. Porém, com certeza ela pode passar "mensagens" totalmente diferentes dependendo da vestimenta. Em minha profissão, professora, é a mesma coisa. Vai dar aula de decote e calça justa para vc ver...!!Quando lecionava no ensino médio, dava aula de jaleco para anular de uma vez por todas a presença da mulher (que geralmente vem atrelada à imagem do corpo desenhado, bunda e seios...). Desta forma, garantimos a presença da profissional mulher. São duas coisas distintas para mim!! Enfim...
    São boas as dicas que vc apresenta!!

    bjim

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    Fico grata em saber que as palavras da matéria também atingiram seu ambiente de trabalho: professora. Sou filha de pai e mãe professores e valorizo muito esta profissão. E bem lembrado, sobre o nosso embiente de trabalho que é assim mesmo: “cheio homens e de delinquentes). Volte sempre! Abços Lili

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo texto e o tema.
    Washington P Lima

    ResponderExcluir
  6. Muito legal o blog, uma pena que vcs não atualizam mais. Segue um blog que fiz com tema de romance policial http://oboletimx.blogspot.com.br

    ResponderExcluir